Agora na CBN:

103.5 - Campina Grande

101.7 - João Pessoa

Notícias

A influência da consciência negra na música brasileira

A influência da consciência negra na música brasileira

O colunista Sílvio Osias, nesta sexta-feira (20),  dia da Consciência Negra no Brasil, fala sobre a abordagem do tema em trabalhos assinados por alguns dos maiores nomes da música brasileira.

Clique no player abaixo e confira a íntegra da coluna:

Comentários 1

  1. Jaquenísia Brito disse:

    Por falta de conhecimento profundo, me propus a fazer uma pequena e despretenciosa viagem pela rua da Música Negra, aonde alguns artistas resolveram, no mundo da fantasia, morar. Vamos lá.
    Cartola sentado à porta, com sua calma habitual, me acena. Chego perto, começamos a conversar. E ele me diz por que não sabe mais amar. E que me sente mais bela. Sorrio; Cartola, não me galateie. De longe acena Candeia, e me mostra num sorriso a alvorada. Sigo. Sento para descansar, e serenamente adormeço. Me vem o sonho.
    Michael Jackson e Miles Davis tentam compor algo. Mas Nina Simone interrompe o tempo todo. Uma bagunça… Ray Charles e Stewie Wonder só fazem rir. É quando a chuva me acorda.
    Jorge Benjor já abre os braços para meu vestido branco. Tim Maia intervem; há uma semana que me espera. Gilberto Gil vem manso, e canta “EssesMoços”, me surpreendendo com uma das músicas da minha vida. Nos olhamos, compreendemos e suspiramos juntos. Djavan me diz para não esquecer do amor que ele tem para me dar; um amor tão puro que ainda nem sabe a força que tem. Mas rapazes… Milton já me olha longamente, e diz que não foi tempo demais. E que aquilo realmente queria dizer amor.
    Termino meu passeio pela rua de uma brincadeira tão boa. De repente chegam os outros negros que nos confortam os ouvidos com sua sonoridade ímpar. Crioulinhos dançam; cabecinhas saltando no meio de bandeiras coloridas. Me sinto exaustivamente feliz.
    Negro é lindo. Negro ilumina. Negro é bom.

Comente esta notícia